quarta-feira, 6 de agosto de 2008

des-espera

Há esta menina que te espera impaciente.
Enquanto vives sonetos de incômodos
nos lugares feitos para desobstruir
o que teus atalhos bloquearam.
Há esta menina que se fez mulher no aguardo da cura e,
Pénelope,teceu em livro trapos poéticos a ti confiados.
Há eu, essa em fêmea feita que monta um quebra-cabeça
de"sem-falta amanhã" e "daqui dois dias"-equivalentes peças.
Há essa represa-mulher enlouquecendo por abrir comportas
e permitir inundações.
Mas "água o amor não é".
Então estanca, segura o intangível líquido em fuga.
Pra que tudo isso termine-nunca em amor
não em copo d`água.

2 comentários:

Bia disse...

conheço também essa espera,
conheço tão bem...

Bia disse...

conheço também essas esperas,
conheço tão bem...