quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Poeminha pra peter pans de pedra

Ah, esses meninos que teimam
em colecionar pedras nada preciosas,
emparedam-se vivos, montando uma coleção
que vai pra museu nenhum.
Ah, se essa rua fosse minha eu mandava
arrancar, lavar, e banir
essas pedrinhas das suas mentes brilhantes.
E depois ia brincar com eles,
que nem me aguentam
tão feliz e saudável
e me deixam assim
a ver navios afundados
em latas de coca-cola.

4 comentários:

Magoo disse...

Leia, você vai gostar:

http://ladobdealice.blogspot.com/

Anônimo disse...

bem que você poderia mesmo mandar arrancar e lavar todas as pedrinhas incolores que tapam os abismos interiores dos psiconáufragos seduzidos por medusas marítimas...

adoraria ir então brincar contigo, sob os raios do sol, e perceber que tudo está bem!
bjo

Luiz Modesto disse...

Emparedamentos com pedrinhas e latihas de coca-cola...
Maravilha teu texto!!!
Abraços.

Gustaveaux disse...

um Peter Pã de pedra
no daimon da memória,
a prumo envolto em bruma
profunda-mente-funda
de uma selva sempre pura
que se chama memória.

no escuro deste abismo,
espuma quebrantada
na proa de uma nau,
vai a memória desmembrando
as contas e os contos
a bordo à estibordo
despetalando-se quebra
nas quilhas do presente,
seu corpo todo ausente.

caindo em livre queda
um Peter Pã pedira
socorro à borboleta
do fundo de teus olhos,
que costura, enamorada,
um dia noutro dia
na ponte do poente,

a'urora de repente!

por aqui, e lembrei do link...
seu poema me inspirou!
um beijo,
Gustavot