segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Élégie à Port-au-Prince

de Lu Cañete & Rodrigo Madeira

Ai de ti, Haiti.
Cada dia escuto,quando inspiro,
o expirar anônimo dos que restam
sobre o mosaico da destruição,
fora de si.

Vejo rostos que nunca vi,
encrustados nos destroços,
existindo "jusqu´au moment"
de dar pedra e aço ao osso.
Quase ouço, contra um caco de parede
e logo

silêncio, silêncio... o partir do osso que se ouve e não.

Simultâneos cessares de inspiração.
Um coro:de paradas cardíacas.
Sincronizados em pontos vários,
como estrelas inconscientes de qualquer galáxia,
que, em orquestral desfecho
e por antigenisíaco sopro, apagam-se.

- um desmilagre?

Ai de ti, Haiti.
Ai também de mim que sei de ti,
mas continuo, soterrada no que sou,
(como se de outro terremoto, dentro,
sem escala que meça, o epicentro
fosse aqui.)

7 comentários:

Naira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Naira disse...

Tocante, triste e lindo...
com sentimentos!
Tia Neca

Naira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ivan disse...

Lu (e Rodrigo),

gostei muito deste poema.

Gostei tanto que, por meus modos chatonildos, revisei-o, em duas questões "outrográficas" (incrustadas genesiacamente), e em mínimas rediposições e sugestões de pontuação e espaçamento.

Esse é o modo desagradável que eu tenho de expressar que o poema está ótimo...

Colo-o abaixo, após minhas (questionáveis mas bem-intencionadas) intervenções cirúrgicas:

ÉLÉGIE À PORT-AU-PRINCE

(Lu Cañete & Rodrigo Madeira)

Ai de ti, Haiti.
Cada dia escuto, quando inspiro,
o expirar anônimo dos que restam
sobre o mosaico da destruição,
fora de si.

Vejo rostos que nunca vi,
incrustados nos destroços,
existindo "jusqu´au moment"
de dar pedra e aço ao osso.
Quase ouço,
contra um caco de parede
e logo

silêncio, silêncio... O partir do osso que se ouve e não.

Simultâneos cessares de inspiração.
Um coro: de paradas cardíacas.
Sincronizados em pontos vários,
como estrelas inconscientes de qualquer galáxia,
que, em orquestral desfecho
e por antigenesíaco sopro, apagam-se.

– Um desmilagre?

Ai de ti, Haiti.

Ai também de mim que sei de ti,
mas continuo, soterrada no que sou,
como se de outro terremoto, dentro,
sem escala que meça, o epicentro
fosse aqui.

cañete disse...

Ivan, obrigada por ler e se dar ao trabalho de intervir cirurgicamente...gostamos muito do que você escreve, por isso sua opinião é muito bem-vinda.
Ainda não falei com o Madeira, mas chegaremos num consenso e publicaremos as sugestões acatadas em breve!

Anônimo disse...

fala, ivan!
a lu me pediu pra dizer o que eu achava desse teu DEDO IMUNDO em nosso poema... rsrs

concordamos com as alterações, com elas todas, embora elas todas nos chamem de semianalfabetos (aqui devo eximir a lu. errei sozinho. as crassidades são de minha lavra: "encrustar" e "antigenisíaco"). portanto, refraseando: embora elas todas me chamem de semianalfabeto, ainda que antenado às novas regras de hifenização...

gostei das mudanças. ficou melhor. ou, modestamente falando por mim e pela lu, ficou sutilmente menos pior.

1. a espacialização ficou mais redonda.

2. "encrustado" tbm é possível (vide o v.o.l.p, da academia brasileira letras). mas é raro e parece errado. assim como "tecitura".

3. "antigenisíaco" não foi um neologismo dionisíaco, mas uma falha cromossômica nos meus "genis" geniais. é pobrema de norma curta mesmo!! obrigado por sua correção ortogênica.

em suma, ivan, todas as alterações foram "subscritas embaixo" e aprovadas em cartório pelas 9 musas. rs.
valeu, ivan! grande abraço!

ps - por favor, meu caro, corrija tbm esta minha nota.

Ivan disse...

Prezado r.m.

a única "correção" que minha pachorra revisorenta aventurar-se-ia a fazer a essa sua "nota" seria que você não a assinou -

mas visto que o seu estilo irrefragável e o seu humor exantemático são inconfundíveis a milhas de distância e éons de tempo, não há necessidade de.

Outrossim, eu é que agradeço a vocês pelo poema que perpetraram, e rogo não interpretem minhas intervenções como admoestações ou qualquer atribuição de semianalfabetismo por tabela, whatsoever...

A mera sugestão disso já seria um anátema, no que tange a poetas de tal sofisticação e expressividade.

Grato novamente pela aprovação cartorial, e minhas lembranças a Calíope, Euterpe, Terpsícore, Érato, Polímnia, Talia, Clio, Melpômene e Urânia.